Dia do Profissional de Educação Física: a atividade orientada salva vidas e fortalece a imunidade

Nas 52 Academias do Sesi-SP, os professores têm atenção particular para avaliar o perfil e a necessidades de cada aluno.

 Por: Sesi-SP
01/09/202116:58- atualizado às 17:03 em 01/09/2021

A prática de exercícios salva 4 milhões de vidas todos os anos, de acordo com uma pesquisa realizada entre 2001 e 2016, em 168 países, publicado pela The Lancet Global Health. Com a pandemia, o assunto imunidade ganhou destaque e uma preocupação ainda maior.

O papel protetor do exercício físico em favorecimento à resposta imune deve estar associado a hábitos saudáveis, segundo o especialista de Vida Saudável do Sesi-SP, Marcelo Mendes. "A falta de sono adequado, má alimentação, estresse, além do esgotamento mental refletem diretamente na defesa do organismo", alerta.

O avanço da vacinação tem aumentado a procura dos alunos para o retorno às 52 Academias do Sesi-SP, que retomam o ritmo, com todos os protocolos necessários, priorizando sempre a promoção da saúde, ao oferecer diferenciados ambientes arejados e amplos, além da atenção individual dos professores qualificados.

Para uma vida mais saudável, Marcelo estimula a volta aos exercícios físicos e dá dicas de como se preparar. "Para começar, é preciso respeitar o processo individual de cada um, seu condicionamento físico, restrições e objetivos. O mais importante é a regularidade. Esforços físicos exagerados além de causar lesões, também trazem resultado oposto ao esperado. O profissional de Educação Física é quem terá esse olhar especializado e poderá conduzir corretamente a atividade", explica.

 

Dia do Profissional de Educação Física

A atuação do profissional de Educação Física é fundamental para promover mais saúde e resultados satisfatórios e duradouros para seus alunos. O reconhecimento desse profissional é lembrado em 1º de setembro, Dia do Profissional de Educação Física, mesma data, em 1998, que foi regulamentada a profissão em todo o País.

A atividade física orientada estimula o organismo a estar mais preparado para combater doenças, sejam crônicas não transmissíveis (DCNT) - como a diabetes, cardiovasculares, obesidade - ou mesmo virais.

 

Leia também